quarta-feira, 31 de maio de 2017

Credenciais para o Mundo de Regeneração

É senso comum para aqueles com um mínimo de espiritualidade que estamos em transição para um novo estágio planetário, e a Doutrina Espírita nos esclarece dizendo que estamos experimentando o período final da condição de expiação e provas, e início do período de regeneração.

Trata-se de uma adequação natural que visa dar aos que já apresentam comportamentos morais tendendo aos valores exarados do Evangelho do Senhor Jesus, condições de se desenvolverem com mais velocidade e tranquilidade.

Nosso Senhor Jesus Cristo disse que a cada um é dado segundo suas próprias obras, e que os mansos herdarão a Terra.

Isso significa que matricular-se nas fileiras do mundo de regeneração que a Terra está adentrando requer esforço pessoal, portanto, intransferível, no sentido de fazer por merecê-lo, ou seja, é preciso apresentar certas credenciais, tais como, por exemplo:

– Tendência à paciência e serenidade; inclinação ao voluntariado que visa o bem comum; entendimento da necessária prática do perdão; envolvimento natural ao estudo em geral, etc.

Ao mesmo tempo requer-se do candidato ao mundo de regeneração que se esforce para repensar e eliminar seus valores culturais menos felizes, entre eles, por exemplo:

– Viciações de toda sorte; hábitos sensualistas; pessimismo e maledicência; gosto pela música barulhenta e filmes de terror; notícias sensacionalistas, etc.

A questão de se fazer presente no mundo de regeneração é a de identificar-se com um estágio superior em termos morais e espirituais, o que, naturalmente, chama-nos ao abandono de velhos comportamentos e reflexos condicionados ao longo de nossas reencarnações.

No sentido religioso podemos dizer que o acesso ao mundo de regeneração seria a salvação preconizada costumeiramente pelas religiões cristãs. Mas convém nos lembrarmos das palavras de Jesus a respeito quando diz que “quem quiser salvar sua própria vida vai perdê-la”, porque isso significa que se alguém quiser se salvar será preciso ajudar na salvação alheia, esquecendo-se de si mesmo.

Mas imaginemos uma determinada situação; conseguimos a “salvação”, tendo direito ao mundo de regeneração, mas um coração afeito ao nosso não a conseguiu. Que faremos a respeito? Seguiremos a nossa vida ou tentaremos acompanhá-lo nos mundos inferiores para consolá-lo e socorrê-lo?

Segui-lo, em socorro, mostra abnegação e generosidade, que são sentimentos presentes nas condições espirituais superiores. Portanto, podemos deduzir que para merecer acesso aos mundos superiores será preciso vivenciá-lo no íntimo, independentemente de onde estejamos localizados.

Pensemos nisso.

Antônio Carlos Navarro

Nota do editor:
Imagem ilustrativa e em destaque disponível em <http://www.nossolarofilme.com.br/>. Acesso em: 31MAI2017.

Nenhum comentário:

Postar um comentário